18 de nov de 2010

E o espelho volta ao seu lugar

O primeiro sinal é estranhar as formas do corpo. A gordura some dos braços e pernas e concentra-se no tronco. Veias ficam mais aparentes. Com aspecto desumano, nos sentimos de outro planeta. E o espelho? Melhor não olhar o seu reflexo.

O começo da lipodistrofia, ou SRG (Sídrome da Redestribuição de Gordura), é difícil para todos que vivem com HIV. Segundo especialistas, ela atinge em diferentes graus 80% dos pacientes. E acredita-se que a causa é uma somatória dos efeitos colaterais dos remédios, mais do próprio vírus e alguma pré-disposição do organismo.

Além das áreas de acúmulo e perda de gordura, também pode ocorrer aumento dos triglicérides e colesterol e uma maior incidência de osteoporose e diabetes. A opinião dos especialistas quanto à prevenção e tratamento é unânime: praticar exercícios físicos – aeróbicos e de musculação – além de uma dieta balanceada e, de preferência, não fumar.

Ainda assim, enfrentar a SRG é uma barra para todos. Durante toda a vida eu pratiquei exercícios, mas quando ela começou a aparecer, larguei a academia. “Já que não tem solução, que se dane!”, pensava. Os médicos insistiam: “Voltar ao normal, talvez não volte. Mas os exercícios ajudam muito. Abaixam colesterol, triglicérides, melhoram o aspecto físico e sintomas de depressão.” Porém, eu relutava.

Até que um dia, um deles me aconselhou: “Esqueça os objetivos a longo prazo. Comece com algo que lhe dê prazer.” E lá fui eu para a piscina. Nada como deslizar na vertical, o corpo leve sustentado pelo líquido que envolve e ampara. Tudo fica azul dentro d’água, ao som de aquário, onde as bolhas translúcidas sou eu quem cria. Ali já não importa minha forma, sou um só corpo com o elemento fluído, que toma a forma, de qualquer forma, de seu recipiente. Sou um golfinho.

Resolvo expandir meus horizontes. Posições esdrúxulas e belas. Alongo cada milímetro do corpo, me equilibro de ponta cabeça, dou um nó com pernas e braços com a arte milenar do yoga. Começo a achar que posso tudo. Puxar ferro, por que não? As repetições desafiam minha perseverança. Cada peso me deixa mais forte. E de série em série a endorfina vai a mil. E não é que percebo renascerem músculos?

Autoestima e sangue agradecem. E o espelho volta ao seu lugar. E se caminho na praia de biquíni e alguém me mede de cima a baixo estranhando a falta de perfeição, sigo em frente com a alma leve. Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.

Artigo publicado na revista Saber Viver voltada para pessoas que vivem com HIV e aids.  
Quadro  Menina diante do espelho de Pablo Picasso, óleo sobre tela.

20 comentários:

  1. Oi, Val!!!!
    Mais uma superação, né?
    Nada como viver um dia após o outro... e pena que a gente não consiga ver que essa é a maneira certa de viver a vida, até que aparece algum problema de saúde.
    Parou de correr na praia com o cachorro?
    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. antes de dormir passei aqui pra ver se havia alguma postagem e é
    muito bom saber que aqui no blog podemos saber mais sobre tudo e que não só para pessoas que vivem com hiv como tambem para quem quer saber um pouco mais sobre o assunto!gostei mais da frase "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é" há verdade nessa frase!bom boa noite valeria tô adoramdo poder esta nesse blog!obg!bjão super carinhoso.

    Érica Pinheiro

    ResponderExcluir
  3. Valéria que lindo texto! Tudo o que você expressou ai me remete de certa forma à minha irmã caçula que tendo um sério problema de saúde, passa mais ou menos pelas mesmas coisas que você. É isso: perseverança e quem estranhar ou não aceitar, que se dane. O problema é deles. Saudades de você no curso. Apareça de vez em quando.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Ver a vida, as pessoas, as formas....é um detalhe....
    Mas, viver de bem com a vida, amando as pessoas de todas as formas, é um detalhe que faz toda diferença!!!!!!
    Não sei de quem é essa frase, mas a primeira vez que li, coloquei no meu orkut.
    Entendo bem seu texto esse é meu maior medo...
    Bem então o que vc diz é um incentivo para desde já começar meus exercícios...e vamos a luta!!!

    ResponderExcluir
  5. Olá Valéria! Me chamo Mariana, sou aluna de jornalismo da ECA-USP. Fazemos um jornal laboratório e nesta edição estamos falando de AIDS e do preconceito com os portadores do vírus. Seria possível fazer uma entrevista com você?
    Poderia me passar o seu e-mail para contato?
    Grata,
    Mariana
    nanacsoares@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Valéria! Sou leitora assídua de seu blog desde que li o Depois daquela viagem!
    Mais uma superação ne? Parabéns, te admiro muito!
    Força sempre! Pretendo ler mais livros teus!
    Se quiser, passa no meu blog, ficaria muito feliz em te ver por lá! Não sei pq, me identifico com vc, é como se eu te conhecesse!
    http://aliner1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi valéria!! tudo bem sou da Bahia e amo seus livros são perfeito, um livro que marcou minha infância foi o “ Depois daquela viagem” gente eu chorava demais e meus pais tomava o livro de minha mão acredita que eu fui chamado na secretaria por conta desse livro . Eu li ele umas 5 vezes rs ai que vem o detalhe eu conseguir ele com uma vizinha minha que não tenho mais seu livro mais amo de paixão seu trabalho gostaria de manter contato com vc meu msn e email e francassa@hotmail.com queria ver uns livro com vc autografado rs Bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá, Valéria, tudo bem?

    Sou repórter do jornal O Tempo, de Minas Gerais, e gostaria de entrar em contato para uma série que estamos produzindo sobre o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. Você poderia me passar seu email? obrigada, Larissa Nunes (larissa.nunes@otempo.com.br)

    ResponderExcluir
  9. Valéria,
    tive a oportunidade de ler o seu livro "Depois daquela viagem" e fiquei comovida com o seu relato.Você é uma pessoa de coragem e muita persistência.Admiro a sua garra e sua luta constante contra a doença.
    Um abraço e boa sorte nesta empreitada

    ResponderExcluir
  10. Gostaria muito de ver suas palestras.

    ResponderExcluir
  11. Primeiro de tudo, parabéns pelos livros, blog e por toda a sua peseverança! Gostaria de saber se há algum e-mail seu Valéria para contato, pois conclui o Ensino Médio e fiz um TCC, que dediquei a você, seria uma honra se pudesse vê-lo, pelo menos a parte da dedicatória. Obrigada por me inspirar! Meu e-mail: ana.sachetto@hotmail.com Beijos e abraços!

    ResponderExcluir
  12. Olá valéria,li seu livro "depois daquela viagem" em 2000.eu tava no cursinho e a obra era de uma amiga de uma colega de classe e ele disse que eu so tinha o tempo das aulas ( de 8h as 13:30h) para ler. E foi o que fiz. Sinceramente não me arrependi nem um pouco de nao ter ouvido nenhuma aula de portugues, matematica ou fisica. Eu estava tendo uma aula mais importante: sobre a vida!!
    E devo confessar q me ajudou muito na epoca pois muitas coisas nos fazem perder o chão e exemplos como o seu são de valor inestimável, porque não importa que tipo de problema seja, a angústia e a sensação de solidaão nos atormentam e é bom ter alguem que mesmo sem saber ajudam e muito, mesmo que o motivo seja totalmente distinto!!!

    ResponderExcluir
  13. Esqueci de dizer muito obrigada!!!!erika

    ResponderExcluir
  14. Nooooossa, acabei de achar seu blog, estava eu ontem em casa a toa, quando do nada me vem na memoria um livro que tinha lido a uns 10 anos, pouquinho mais, na escola. era o "depois daquela viagem". Lembrei mais ou menos da história, afinal faz muito tempo que li e decidi comprar o livro novamente para relembrar... Mas saiba que esse é o livro que mais lembro da minha infância e um dos que recomendei para os amiguinhos na época hahaha. com certeza foi marcante no meu crescimento, e fiquei super feliz de ver que depois daquele livro, outros vieram... vou atrás de todos. E melhor ainda poder dizer isso diretamente pra você, já que o google me indicou seu blog quando procurei pelo seu nome. Parabéns.De coração. tem uma fan que era mirim, e agora não é mais hahaha. Obrigada pelo exemplo.

    ResponderExcluir
  15. Valéria, li seu livro quando estava na escola. Um pouco depois você começou a escrever pra Atrevida e eu simplesmente te adorava. Tem até um de uma cartomante que ficou na minha cabeça... terminava com algo como: “Se você não concorda com a sorte que eu li, faça o seu próprio destino”.
    Mas aí nossos caminhos “se desencontraram”.
    Ontem eu li que conseguiram curar uma pessoa com HIV. Não é exatamente uma cura, mas é um grande passo para o processo. E ao conversar sobre isso com a minha mãe, falei de você, te mandei energias positivas e torci para que estivesse tudo bem.
    Hoje vim te procurar, torcendo por você, para que você ainda fosse uma luz na vida de tantas pessoas!
    Eu não tenho HIV, nem conheço quem tenha. Mas já passei por algumas coisas difíceis, especialmente de saúde, desde que li o seu livro. Sei que as coisas não são fáceis pra você, mas isso te torna ainda mais especial. Não é simples passar por problemas de saúde, mas quando alguém o faz de forma a inspirar outra pessoa e a guiar aquelas que têm problemas em envergar alguma esperança, sabe-se que aquela pessoa sim é uma heroína.
    Fiquei feliz por você estar ainda lutando, dando exemplos e escrevendo. Torço pelo seu sucesso e felicidade. Parabéns!! Você é uma peça rara!
    Um super beijo,
    Bel

    ResponderExcluir
  16. Oi...
    Eu li seu livro Depois daquela viagem...
    me surpreendi com sua historia.
    to seguindo seu blog..
    o blog ta lindo!
    parabéns..! :)

    ResponderExcluir
  17. Oi Valéria!

    Li seu livro Depois daquela viagem e confesso, fiquei emocionada com sua historia de vida e superacao. Sou nutricionista, e durante minha vida academica estagiei em um hospital especializado em doencas infecto-contagiosas aqui de Natal-RN, convivi, atendi, e fiz muitas amizades com individuos soro positivo. Quero dizer que voce eh realmente uma pessoa abencoada. Parabens!
    Abracos,
    Andressa

    ResponderExcluir
  18. Lindo esse texto, Valeria. Que orgulho de ser tua colega! E quer saber? Teu programa livre de exercícios está super valendo: vocé é uma gata e uma pessoa deliciosa de se conviver. Um beijo e que a tua luz brilhe cada vez mais forte em 2011 e sempre. Beijão

    ResponderExcluir
  19. Adoro vc,acho que sua vida deveria virar um flme,sendo exemplo de luta e coragem.
    Vocé nunca está só tem vários anjos olhando por vc,bjosssss.
    ASS; R.junior

    ResponderExcluir
  20. Você sempre captura minha mais absoluta admiração..não só pelo exemplo de superação, mas pela generosidade de nos fazer parceiros nessa luta, compartilhando sabedoria com graça e gentileza.

    Tudo de mais bonito pra você.

    ResponderExcluir