3 de mai de 2015

Depressão e meditação. O que isso tem a ver?



Resenha do livro: The mindful way trough depression

       (O caminho consciente através da depressão)


De Mark Williams, John Teasdale,  Zindel Segal e Jon Kabat-Zinn





Para aqueles que sofrem de depressão e sabem como é a escuridão de uma doença que, além de nos tirar a vitalidade, não se mostra em exames de imagem e ou de sangue – o que nos deixa ainda mais sem rumo – o livro “The mindful way trough depression” vem como uma luz. Os autores nos passam a clara impressão de que conseguiram mapear o funcionamento do cérebro de quem vive com a doença. E melhor, ensinam mecanismos para aprendermos a lidar com ela. A meditação Mindfulness é uma dessas ferramentas.

Em 1979, o professor de medicina da Universidade de Massachusetts, Jon Kabat-Zinn, baseando-se em técnicas milenares de meditação, criou o MBSR, Programa de Redução de Estresse Baseado em “Mindfulness”.  O termo, que significa Consciência Plena, propõe a aprendizagem de uma atitude aberta de aceitação em relação a tudo o que possa surgir na mente, enquanto estamos atentos a ela. Esse programa se mostrou muito eficaz em pacientes com doenças crônicas e com problemas psicológicos como ansiedade e pânico.

Na década de 1990 três psicólogos cientistas, Mark Williams, John Teasdale e Zindel Segal, estudavam maneiras de prevenir recaídas em depressão por meio da Terapia Cognitiva que já tinha provado eficácia para depressão aguda e prevenção de recaídas, quando se depararam com o trabalho de Kabat-Zinn. O uso clínico da Meditação Mindfulness chamou-lhes a atenção, não só pelas mudanças que provocavam nos pacientes em como eles pensavam, sentiam e se comportavam, mas também pelas mudanças nos padrões de atividades do cérebro. 

Já se sabia que quando a depressão começa a nos puxar para baixo, geralmente reagimos tentando nos livrar dos sentimentos, suprimindo-os, ou tentando pensar em um jeito de como sair deles. Entretanto, o que resiste, persiste, e “acabamos nos perdendo em comparações de como gostaríamos de estar. Vivendo quase que totalmente dentro de nossas cabeças. Perdemos o contato com o mundo, com as pessoas ao nosso redor”. É o estado chamado “ruminativo”, em que pensamos em ciclos, “em padrões de pensamentos que só nos levam para baixo, de novo e de novo e respondemos com as mesmas ações que nos trazem os piores sentimentos”. Essa é a anatomia da depressão.

“Não é o humor que nos derruba, mas sim como lidamos com ele. Nossos esforços em nos salvarmos, na verdade, nos mantêm presos na dor da qual estamos tentando nos livrar.” E foi exatamente aí que os psicólogos, Segal, Williams e Teasdale descobriram que a meditação Mindfulness poderia nos levar a uma nova relação com nossa mente. Ensinando-nos a deixar os arrependimentos do passado e as preocupações do futuro e a concentrar no momento presente, quebrando assim o ciclo da ruminação.

Eles criaram, então,  a MBCT,  Terapia Cognitiva Baseada em Mindfulness, cujo grande estudo se mostrou eficaz na redução em 50% de recaídas em pacientes que já tiveram dois ou mais episódios de depressão.  (A depressão recorrente tem alta taxa de recaída - até 80% de recorrência após dois episódios.) O livro “The mindful way trough depression” torna essa abordagem acessível a qualquer pessoa leiga interessada. Com uma linguagem acessível, empodera o paciente a aprender e aplicar suas técnicas num curso proposto de oito semanas. CDS de meditações guiadas acompanham a publicação – lamentavelmente ainda não traduzida para o português.


 

Um pouco sobre a técnica Mindfulness


A técnica da Consciência Plena nos leva a focar em nossas sensações corporais. “Quando nos perdemos em pensamentos e tentamos nos livrar dos sentimentos, prestamos muito pouca atenção ao nosso corpo. Entretanto essas sensações corporais nos dão um feedback imediato do que está acontecendo com nosso estado mental e emocional.” E eles podem ser a chave para nos livrar da depressão. Pois se focando nessas sensações, não só paramos de “ruminar” sobre o passado e futuro, como podemos mudar nossas emoções.

Para isso o programa usa a meditação conhecida como Escaneamento Corporal, onde a pessoa se concentra detalhadamente em cada parte de seu corpo. Tomando consciência de como ele realmente está no momento e não como gostaríamos que ele estivesse. Isso pode nos ajudar, por exemplo, a aceitar uma dor ou desconforto ao invés de começar uma briga mental com “o porquê de estarmos com essa dor nesse momento”.

Utiliza também a Meditação da Respiração, onde tomamos consciência da respiração acontecendo em nosso corpo, momento a momento. É claro que nesse processo pensamentos virão. Sem problema. É só reconhecer que apareceu um pensamento e voltamos a nos focar na respiração. E se aparecerem emoções boas ou ruins, ao invés de mudá-las, abraçá-las com aceitação e sem julgamento. “Ficar com nossas emoções indesejadas sem torná-las piores pode parecer impossível, pois caímos tão facilmente em aversão. Entretanto, um gesto intencional e consciente que paradoxalmente abrace o que nós mais tememos, pode ser um ato poderoso de libertação.”

Já a Meditação do Movimento se utiliza de exercícios físicos de yoga com atenção plena no corpo. E, se surge uma área de desconforto, usamos a respiração como veículo para trazer consciência à região. “Com curiosidade e gentileza nós exploramos o que há aí: as sensações físicas e sentimentos, vindo, indo e se transformando. Tudo bem, o que quer que seja já está aqui. Às vezes, simplesmente reconhecendo o que está acontecendo, ao invés de brigar com o que “deveria” estar acontecendo é tudo o que se precisa para transformar nossa experiência nesse momento.”

O programa também ensina a Prática Informal, onde a pessoa toma total consciência do que está fazendo no momento em que está fazendo. Como ao escovar os dentes, por exemplo, ou ao comer e saborear uma refeição. Lembrando que “a intenção do Mindfulness não é forçar o controle da mente, mas perceber claramente seus padrões saudáveis e nocivos”.

“Nós estamos sempre explicando o mundo para nós mesmos e reagimos a essas explicações mais do que aos fatos em si.” O Mindfulness nos ensina que “podemos cultivar um novo relacionamento com nossos pensamentos. Deixando-os simplesmente estarem aqui, ao invés de analisá-los, tentando descobrir de onde eles vieram ou tentando nos livrar deles. Com consciência nós os vemos como eles são: construções, criações misteriosas da mente, eventos mentais que podem ou não refletir a realidade. Nossos pensamentos não são fatos”. Dar-se conta disso é libertador.
   

* Os trechos em aspas são trechos do livro traduzidas por mim.

The Mindful Way Through Depression: Freeing Yourself from Chronic Unhappiness. Mark Williams, John Teasdale,  Zindel Segal e Jon Kabat-Zinn (273 páginas)

Edição Kindle



29 de abr de 2015

THE HIV POSITIVE POSTER / O CARTAZ HIV POSITIVO

The english version.





A new campaign created by Ogilvy Brazil for the NGO Life Support Group (GIV) spread posters throughout São Paulo carrying an actual HIV positive drop of blood; the goal is to combat the prejudice related to people who have the virus.

GIV - O Cartaz HIV Positivo

Um belo vídeo com meus amigos de jornada. Parabéns GIV!






Este vídeo tem como objetivo abordar o estigma e discriminação sobre as pessoas vivendo com HIV. Apesar da epidemia estar entre nós há vários anos, nos quais ocorreram muitos avanços em matéria de tratamento e prevenção, o estigma ainda persiste.
Ele foi produzido em parceria com a Agência Ogilvy e Mather, produtora BossaNovaFilms, produtora de som Lucha Libre e CRT - Centro de Referência e Treinamento, aos quais expressamos nossos agradecimentos.

19 de mar de 2015

Meditação - curso gratuito na Unifesp



A UNIFESP - Escola Paulista de Medicina - está oferecendo cursos gratuitos de MINDFULNESS - técnica de meditação para a promoção da saúde voltados a pacientes com níveis prejudiciais de “estresse” e/ou portadores de doenças crônicas como ansiedade, depressão, hipertensão, diabetes, obesidade, câncer, hiv e dor crônica de origem diversa. O programa é desenvolvido ao longo de 08 semanas, em encontros de 2hs, para vivência e trocas de experiências sobre as técnicas de mindfulness, que são baseadas em práticas meditativas de simples aprendizagem.
Eu estou fazendo e é muito bom!!!

Palestra introdutória dia 29/4 às 13hs na Rua Botucatu, 740, 1° andar Anfiteatro 1 .
Nova turma começando em 6/5das 13hs às 15hs)

Inscrições para palestra e curso: ambusaude@gmail.com

29 de dez de 2013

A vozinha eterna




                                         Agora sei que está bem. 

 

                                         Fecho os olhos e vem o macio carinho de suas rugas.

 

                                         Agora sei que está bem.

 

                                         Ligo a alma e sigo sua risada solta pela casa.

 

                                         Só queria ter te garantido uma partida mais tranquila.

 

                                         Da mesma tranquilidade que você me deu em toda estada.

 

                                         Seu colo será sempre o lugar mais seguro.

 

                                         Sua morada, o meu coração.

 




"Mother and Child" escultura em bronze de Madeline A. Smith.
Foto tirada na casa-museu da escritora Pearl Buck em Bucks County, Filadélfia.
 

9 de dez de 2013

Campanha O Negativo





Dezembro é um mês muito especial para mim. Porque tem as festas de fim de ano, o dia 1° de dezembro dia de luta contra a aids e foi o mês em que eu lancei o “Depois daquela viagem”. Mas dezembro e os meses de férias até o carnaval são meses críticos nos Bancos de Sangue. Os estoques ficam baixíssimos. Por isso venho pedir a quem puder que doe sangue e deixe aqui uma mensagem.

E aproveito para agradecer àqueles que já doaram. É também graças a esse gesto que continuo viva. Pois todas as vezes que precisei do sangue O negativo (meu tipo sanguíneo) ele estava disponível.

O Negativo é conhecido como universal, pode ser transfundido em qualquer pessoa. Mas é o tipo sanguíneo mais difícil de encontrar doadores. E é muito utilizado pelos hospitais, pois é o sangue que salva em situações de emergência.

Vamos espalhar essa campanha?! Compartilhem!
Eu agradeço. De coração.



Onde doar:
http://www.prosangue.sp.gov.br/home/Default.aspx