24 de out de 2012

A peça volta à São Paulo com entrada gratuita


11 comentários:

  1. Valéria,
    Sou um menino de 23 anos, de classe média alta, de Recife. Namorei aos 18 anos com um menino dois anos mais velho. Transei sem camisinha, obviamente. Após ele, tive duas relações sexuais sem camisinha. De uns tempos pra cá, começaram a surgir sintomas, eu me desesperei. Abusei um pouco das drogas. Mas, por ter consciência de ter o vírus, apesar de não ter feito exame, não transei com ninguém nesse período. Viajei pra fora, tentando fugir disso tudo. Enfim, semana passada, mergulhei fundo nas pesquisas, li seu livro (já o tinha em casa, pois minha irmã leu, quando na escola). Passei algumas semanas sem chão. Domingo passado, não suportei mais. Contei a minha mãe talvez ser soropositivo. Fomos fazer o exame: eu, minha mãe e minha irmã. Resultado: positivo. Felizmente, tenho ótimas condições financeiras e minha mãe é médica. Estou sendo acompanhado por dois dos melhores infectologistas do Brasil. Ainda tou tentando lidar com essa minha nova vida. Mas sei que vencerei essa batalha. Começo a terapia próxima semana. Há alguma previsão de você vir a Recife? Com a peça ou algum outro compromisso? Se sim, diga-me, que te passo meu e-mail. Gostaria muito de falar contigo pessoalmente.
    Obrigadão por tudo! :)

    ResponderExcluir
  2. Obrigado! Espero conseguir seguir o seu exemplo :) Se algum dia vier a Recife, ou alguma cidade próxima, comenta aqui no blog, que farei tudo pra te encontrar! Você, de certa forma, salvou e me deu uma nova vida, mesmo sem saber sequer o meu nome! Ficarei sempre te acompanhando por aqui! Mais uma vez, obrigado! :)

    ResponderExcluir
  3. Valéria, sou eu novamente, rs. Desculpe-me pelo incomodo, mas tenho uma dúvida: minha mãe decidiu que não passaremos o carnaval aqui (sabe como é, Olinda, coisa e tal, e estou no início de minha terapia). Então, estamos indo pra Alemanha e pra Suécia, durante o carnaval. Será minha primeira viagem internacional pós-certeza do diagnóstico HIV positivo. Sendo assim, gostaria de perguntar a ti - com larga experiência no assunto - se eu devo levar os meus medicamentos na bagagem de mão ou despachá-los como bagagem normal? Se eu levá-los na bagagem de mão, fico com medo de ser reprimido de alguma forma (mas precisarei tomá-los, inclusive dentro do próprio voo). Também não acho uma boa ideia despachá-los com o resto das coisas, pois, caso a mala seja extraviada, eu ficarei sem os mesmos. Então, quando viajas, como fazes? Levas teus remédios na bagagem de mão mesmo?
    Ficarei gratíssimo com a sua resposta!
    E, mais uma vez, desculpe-me pelo incomodo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre levo meus remédios na bagagem de mão. E, para não ter problema, uma receita do meu médico. Nunca tive problema em viajar com meus comprimidos.
      Beijos e boa viagem!

      Excluir
    2. Obrigadíssimo! :)

      Excluir
  4. Quando vem ao Rio de Janeiro, a peça? Quero muito vê-la!!!!

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  5. Valéria li seu livro a oito anos atrás qnd tinha 16, amo sua história de luta e perseverança, gostaria de saber a sua peça tem planos de se apresentar em Minas Gerais, especialmente aqui em Juiz de Fora, gostaria de assisti-la.Abração tudo de bom!!!

    ResponderExcluir
  6. Gostaria muito de assistir essa peça, adoro esse livro. Quando a peça vem ao Ceará?

    ResponderExcluir
  7. Valéria, um amigo me emprestou seu livro hoje, já estou quase terminando... Você é uma lutadora com certeza! Irei me esforçar pra assistir a peça! Meus parabéns! você é definitivamente um exemplo de vida...

    Thamires.

    ResponderExcluir
  8. Ola Valeria estou no 9° ano moro em Sao Paulo e quando li seu livro fiquei realizada,na minha escola ainda estamos debatendo , gostaria de saber se sua agenda de palestras esta cheia
    Att Nayara !

    ResponderExcluir